• Jornal da Bahia
     Grupo baiano participa de festival nos EUA
    25 de julho 1976

    Imagem

    • Leia abaixo!

    Jornal da Bahia, 1976


    O texto

    • página

      -

      GRUPO BAIANO PARTICIPA DE FESTIVAL NOS EUA
      Jornal da Bahia
      25 de julho 1976

      [legenda] Este é o grupo, com a ausencia de um elemento, que embraca hoje para os Estados Unidos

      E embarcam hoje, no Aeroporto Dois de Julho às 17:15 os 15 integrantes do grupo baiano que irá representar o Brasil no Festival Norte-Americano de Folclore, em Washington D.C. como parte das comemorações de Bicentenário da Independência dos Estados Unidos.

      Este festival vem sendo realizado desde 1967 no grande Parque Nacional conhecido por "Mall", que se encontra cercado pelos prédios do Capitólio, Casa Branca, museus da Smithsonian Institution - que o promove - e inúmeros outros monumentos nacionais norte-americanos.

      Normalmente, a programação do festival inclui tradições culturais folclóricas de vários grupos de nacionalidades, ocupações e etnias que compõem a população norte-americana, assim como representações de nações estrangeiras. Este ano - em que se comemora o Bicentenário de Independência dos EUA - o festival iniciado a 16 de junho e com prosseguimento previsto até 6 de setembro, comemora a "riqueza da contribuição cultural negra para a vida norte-americana".

      RAIZES AFRICANAS

      Intitulado "Diáspora Africana", o festival procura também demonstrar as raízes e origens africanas e suas ramificações pelas Antilhas e América Latina, ou ainda, "apresenta um amplo panorama cultural da comunidade negra norte-americana através de uma mensagem tri-continental".

      A representação brasileira com a da Nigéria, participará dos dias 28 de julho - quarta-feira próxima - a 2 de agosto. E além das apresentações no Festival de Folclore, fará uma pequena excursão pelos Estados Unidos, com apresentações previstas para Atlanta (Georgia), Cleveland (Ohio), El Pazo (Texas), Philadelphia (Penna) e Nova Iorque - o que significa uma permanéncia de três semanas em território norte-americano.

      Todas as despesas do grupo nos Estados Unidos serão pagas pela Smithsonian Institution, incluindo transporte, hospedagem, alimentação ou mesmo despesas médicas e hospitalares, se for o caso. Além disso, cada integrante receberá 10 dólares diariamente a título de "despesas incidentais".

      FOLCLORE BAIANO

      O grupo baiano viaja sob a coordenação de Luíza Marques, escolhida pelo representante da Smithsonian que esteve em Salvador, no fim do ano passado, com a finalidade de escolher os componentes do grupo baiano que participará do festival. Luíza no ano passado chefiou a delegação baiana que participou do Festival de Bruxaria em Bogotá (Colômbia).

      Como assistente de coordenação, está Antônio Morasi Ribeiro - assim como Luíza Marques, funcionária da Bahiatursa, Mestre "Gato", seu filho "Gatinho" [M Zeca, José Souza Góes] - ambos da academia do primeiro, Saci da Academia Aluvião e Elísio, do Grupo Folclórico Duque de Caxias, serão os responsáveis pelas apresentações de capoeira, angola e regional.

      Olga de Alaketo e mais seis filhos seus responderão pelas apresentações relativas ao candomblé baiano, devendo mostrar toques de Exu, Ossain, Oxossi e Ogum.

      A culinária baiana será mostrada por Jacyra Matos ("Cuiuba"), baiana que tem ponto na Ladeira da Praça. Nos Estados Unidos, ela vai fazer vatapá e acarajé. Completando o grupo está Waldemir Cardoso Nascimento ("Bolão"), entalhador de cocheira que leva trabalhos prontos, outros em andamento e madeira para iniciar trabalhos durante as apresentações no festival e na excursão pelo território norte-americano.

      Todo o material a ser empregado nas apresentações - desde o de candomblé até o de culinária, incluindo capoeira entalhe, está sendo levado daqui.

      Para a viagem do grupo aos Estados Unidos, colaboraram o Governo do Estado da Bahia, com três passagens aéreas, Bahiatursa (uma passagem), Itamaraty (sete passagens) e Pan-American com quatro passagens. Também prestaram sua ajuda, efetuando contatos oficiais, cuidando dos detalhes relativos á documentação para viagem a fornecendo quantia em dinheiro para utilização durante a viagem, a Associação Cultural Brasil Estados Unidos (ACBEU) e USIS, de Salvador.

      A ACBEU ainda está indenizando, simbolicamente os 11 integrantes do Samba-de-Roda da Suerdieck, Cachoeira, que também viajariam para os Estados Unidos, como estava previsto inicialmente. Porém, há cerca de uma semana decidiu-se que o grupo não mais iria, porque não se consegueu as passagens aéreas necessárias. O convite da Smithsonian Institution feito ao Governo Brasileiro previa um grupo de 25 pessoas e inclusive o Samba-de-Roda foi escolhido pelo representativo do orgão, quando ele esteve na Bahia, no fim do ano passado.



Flickr Fotos

    Atualizações do blog direto a seu inbox

    Back to Top