• Héctor Julio Páride Bernabó (Carybé)
     O JOGO DA CAPOEIRA
    1951

    Comentário

    «Um dia, o primeiro livro sobre mim que saiu foi "Recôncavo brasileiro", que Carybé escreveu mais Mário Cravo. E aí fui ganhando nome.»

    M Waldemar, 1990

    Do livro

    [..] Mestres muitos houve e há na Bahia: Pantalona, Zé Doú, Sessenta, Samuel querido de Deus, Zé Quebra Ferro, GAzolina, Bilusca, Chico Porreta, Cazumbá que era açougueiro e só cortava carne de boi de fraque e pistola ao cinto. Besouro, que era bom faquista angola mas jogador escasso, Tibiri de Folha Grossa, Ajé, que era pintor, Betinho, e dos atuais Pastinha, Onça Preta, Reginaldo, Valdemar, Juvenal e Mestre Bimba, que é tido como uma espécie de Lutero da capoeira, porque introduziu modificações na tradicional Angola.

    Carybé, 1951

    Imagens

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    • Carybé, 1951

    O Jogo da Capoeira, 1951


Flickr Fotos

    Atualizações do blog direto a seu inbox

    Back to Top